Seguidores

sexta-feira, 17 de março de 2017

A Selva da Incompreensão




                                 A Selva da Incompreensão 



Antigamente quando eu era criança, a gente aprendeu o que seria democracia, o poder emanando da gente e o nosso país crescendo, era o sonho dourado pós-ditadura. 
Hoje esse sonho sequer realizou, o país empobrecendo, sendo pilhado por gente grande, mas não bastando isso tudo, lutamos contra o nosso próprio povo, a violência campeia a passos largos, da mesma forma que os nossos direitos, cada um luta de uma maneira para poder se desvencilhar do laço dos nossos caçadores. 

As emendas à nossa constituição, são constantes, não existe praticamente nenhuma lei nova que possa beneficiar o trabalhador, é só direito sendo vilipendiado e obrigações sendo impostas. 
Falando em imposição, o chamado “leão”, come praticamente a nossa mão, personificaram um bicho carnívoro e com muito apetite para poder “comer” nosso imposto de renda, cujo cálculo de devolução já está defasado há muito tempo. 
O interessante que tem  outro bicho terrível chamado “dragão”, que nos aterroriza até em nossos piores pesadelos; onde esses animais monitorados pelos caçadores controlam tudo que a gente possui, aumentando e diminuindo juros, enriquecendo mais ainda os banqueiros e nos pondo ao nível da pobreza, cujo cidadão de bem já parou de sonhar. 
Aqui no Brasil é contado o número de pessoas que enriquecem trabalhando, somos assalariados sim, sonhamos com dias melhores, contudo sentimos que vêm dias piores, com o aumento do tempo de contribuição da aposentadoria, fim do décimo terceiro e salário-férias. 
Diante dessa crise toda, nossos algozes implementaram a famosa “democradura” tornando a nossa vida que já não é fácil, mais dura ainda, onde remamos verdadeiramente contra a maré, procurando um horizonte com um porto seguro nessa “selva” brasileira, que de macacos, viramos ienas - rindo da nossa miséria – agora aos poucos, vamos acordando, passando a ser “formiguinhas” lutando contra os “rinocerontes” do poder. 



Marcelo de Oliveira Souza,iwa



Nenhum comentário:

Postar um comentário