Ajuda na manutenção do blog: Conta Poupança 5920-0 Agência 3679-0 Para Marcelo de Oliveira Souza

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Exposição Permanente em Porto, Portugal




Muito contente com a notícia recebida, nossa placa Futuro, com o logotipo da Academia de Letras de Teófilo e da Academia de Letras do Brasil seccional Mato Grosso do Sul, às quais sou membro, agora esta com sua Exposição Permanente, no Instituto de Letras de Porto, Portugal.
Agradecemos à Dra. Fernanda Ribeiro, diretora do Instituto de Letras.


🤔 * Quem desejar ter a nossa exposição permanente, entre em contato com marceloosouzasom@hotmail.com, envio gratuito.

🤔




Marcelo de Oliveira Souza,IWA -  Salvador - BA - Brasil
Escritor e  Organizador do Conc Lit Poesias sem
Fronteiras.
* 2 x Dr. Honoris Causa em Literatura- FEBACLA e VaeBrasil
membro:
* Da Academia de Letras do Brasil : seccionais  Mato Grosso do Sul / Sul e Baixo Sul da BA;
* Da International Writers and Artists Association -EUA
* Da Academia de Letras de Teófilo Otoni  ;


*******************************************
* Site do Concurso de 
* Facebook: marceloescritor  ; Instagram:@marceloescritor



sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Jornal Correio da Palavra


Olá!
Deixo a disposição o meu texto, que figura no excelente jornal Correio da Palavra.

Visitando MIlão

Visitando Milão




Quando visitamos países da Europa, sobretudo as cidades grandes, temos  outra perspectiva de turismo, pois além da parte cultural, podemos aproveitar com segurança tudo que a cidade pode oferecer, sem medo de quem está atrás da gente, sem medo de sair em determinado horário e ter algum tipo de intempérie.

Ao reservar o nosso hotel em Milão, tivemos que ficar um pouco afastado da cidade, onde já sabíamos dessa intempérie, pois no centro da cidade, o preço fica bem mais alto do que em outras cidades, até mesmo em Roma.

Sabendo dessa dificuldade, já fomos preparados para que nos esperava,  mas não imaginávamos que seria tão longe, o aeroporto de Milão é muito distante, se fôssemos de táxi seria  irremediavelmente, caro!

Daí vem a  estrutura de primeiro mundo tomando a frente, tinha o chamado "aerobus" que  faz a linha até o centro da cidade, dali poderíamos pegar um taxi para o hotel, no subúrbio.

Vinte minutos depois chegamos ao  Nh Milano2 ,  já à noite, onde nos recolhemos esperando surpresas para amanhã.

Quando acordamos, descemos para o breakfest, foi uma  festa! Um hotel muito organizado, bem estruturado, só tinha essa dificuldade de ficar longe do centro, no entanto, ao descermos para sairmos da hospedagem, temos logo de cara uma vista espetacular com parque muito lindo cheio de aves, aquilo ilumina o dia de qualquer um!

Para irmos  à parte central da cidade, tínhamos diversas opções, a gente pega  o ônibus, que tem  hora marcada, desce  no metro, pega  duas linhas, chagando ao centro; é tudo tão organizado, que o que era distante, fica  perto, a estrutura do transporte público é perfeita!

Dando para aproveitarmos a cidade, que possui uma infinidade de lojas de roupa,  em  tudo quanto é lado é  vestuário.

Comparada a outras cidades da Europa eu senti falta de uma  estrutura melhor relativo a opções de lanche, mas quando a experiência de viagem fala mais alto, sempre temos  opções, basta ter um pouco de paciência.

 A  Galeria Vitório Emanuelle II,  é o verdadeiro point da cidade, que fica na mesma praça que a lindíssima catedral, dali é o ponto de partida para tudo de bom que tem no lugar, quando chega o final de semana, o local fica lotado,  entretanto tudo bem organizado.

É imperativo  salientar sobre o belíssimo parque Porta de Veneza, maravilhoso, onde a natureza grita sua presença espetacularmente.

Vale a pena ir a Milão, se for  passar cinco dias ou mais, temos que dar um pulinho em Bérgamo, uma cidade medieval, que fica pertinho, tem toda facilidade para chegar, pois na Europa, é tudo interligado e com toda essa estrutura, não falta o que fazer,  se já viu tudo, tem as cidades pequenas, que são todas preparadas, somente esperando o turista.


Marcelo de Oliveira Souza,IwA

2x Dr. Honoris Causa em Literatura


quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Re: Exposição Permanente em Portugal

Parabéns! Sinto um grande prazer e orgulho por ter vencido e expor uma marca no atelier da arte amigo Marcelo.
Mto obrigdo.

Na(o) ter, 12/02/2019, 22:01, Marcelo ESCRITOR de Oliveira Souza <marceloosouzasom@hotmail.com> escreveu:
Nossa placa, com o poema Futuro - premiada em Ouro Preto, Brasil e Buenos Aires, Argentina; ostentando  o logotipo da Academia de Letras do Brasil e Academia de Letras de Teófilo Otoni MG -  está dando continuidade à Exposição Permanente do Escritor Marcelo de Oliveira Souza Iwa.
Agora tem um exemplar nosso na  Subprefeitura de Venade, Caminha, Portugal.
Agradecemos a Diamantino Bártolo  pela presteza.

Quem desejar ter  nossa exposição permanente é só enviar uma mensagem para marceloosouzasom@hotmail.com.

🤔Marcelo de Oliveira Souza Iwa
🤔2x Dr. Honóris Causa em Literatura.
🤔 Instagram: marceloescritor

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Exposição Permanente em Portugal

Nossa placa, com o poema Futuro - premiada em Ouro Preto, Brasil e Buenos Aires, Argentina; ostentando  o logotipo da Academia de Letras do Brasil e Academia de Letras de Teófilo Otoni MG -  está dando continuidade à Exposição Permanente do Escritor Marcelo de Oliveira Souza Iwa.
Agora tem um exemplar nosso na  Subprefeitura de Venade, Caminha, Portugal.
Agradecemos a Diamantino Bártolo  pela presteza.

Quem desejar ter  nossa exposição permanente é só enviar uma mensagem para marceloosouzasom@hotmail.com.

🤔Marcelo de Oliveira Souza Iwa
🤔2x Dr. Honóris Causa em Literatura.
🤔 Instagram: marceloescritor

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Tormento

😔Tormento

Num súbito acidente
Tumultua a nossa mente,
De um sonho encantado,
Veio o pesadelo queimado,
Incinerando utopias
De pessoas que viajaram
Para não mais voltar,
Da bola pensaram viver
Entretanto, tragicamente vieram falecer,
Uma dezena de sofrimento,
Que atormentará
O passamento,
Na agonia do desfalecer...
Não conseguimos compreender,
Os desígnios do anoitecer,
Que no sonho dourado,
Tanta gente possa morrer!


😔 Marcelo de Oliveira Souza, iwA
😔Homenagem às vítimas do acidente no Clube de Regatas Flamengo
😔 Do blog http://marceloescritor2.blogspot.com
😔 Instagram: marceloescritor
Boa noite🌚

Indo de Trem à Paris

Indo de trem à Paris! 


Já acostumado com a sistemática europeia, fomos nos preparando a cada viagem para conhecer Paris, visto que o idioma seria um entrave para a nossa plena visitação na Cidade Luz, tantas pessoas alertaram sobre o comportamento do parisiense, que fomos protelando o plano de conhecer essa bela cidade, nos preparando ao máximo para essa grande e suntuosa aventura. 
Uns diziam que o povo de lá era encrenqueiro, mal humorado, não queira muito contato com o turista, tantos adjetivos, se formos mencionar tudo não terminaríamos o texto. 
Dessa vez inovamos, saímos de Milão diretamente para e estação ferroviária parisiense, embarcando numa grande aventura de passar de um país a outro pelos trilhos. 
Quão interessante foi, chegar e ver que tinha uma espécie de beliche para os passageiros, com não estamos acostumado dormir em trem ,já imaginávamos oito horas de viagem, singrando a noite de inverno. 
Tinha uma brasileira – brasileiro tem em todo canto – que falou com a gente que no meio da noite, era para não nos assustarmos, pois o pessoal da alfândega costumava bater nas cabines para pedir o passaporte, o que não ocorreu, pois uma funcionária os recolheu para não ter esse entrave. 
Interessante que estávamos parecendo vivenciar um daqueles filmes de locomotiva, a cada minuto era uma novidade, cada cabine cabia cerca de quatro a seis pessoas, aquela brasileira que mencionamos, tinha ficado com cinco homens, o pior que estavam com aquele aroma característico de "pinto molhado", ela estava aterrorizada, mas a administração resolveu tudo, colocando-a numa cabine extra. 
É tudo muito organizado, tem cabine só para lavar as mãos, outra para fazer as necessidades fisiológicas; falando nisso no meio da madrugada resolvemos satisfazer uma dessas necessidades, no entanto não tinha "gravado" o número da cabine! 
Foi muito difícil, o que iríamos fazer agora? 
Resolvemos conversar com a funcionária que prontamente foi procurar o nosso número e assim pudemos nos recolher, embalados pelo balanço do veículo, chegando a dormir! 
Fato inédito, foi muito bom, pois chegamos na França com toda energia! 
Em outro vagão, tem um restaurante, com mesas, bar e tudo que era necessário, fazendo um desjejum, para dentro de instantes, vislumbrarmos a paisagem parisiense, acolhendo-nos com pequenos flocos de neve, parecendo nos saudar, com um abraço quente como um café matinal e lindo como um dia de cartão postal. 






Marcelo de Oliveira Souza,IwA 
2x Dr. Honoris Causa em Literatura 

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Oração das segundas feiras

Oração das Segundas-feiras!

Amigo santo
Que me guia
Obrigado
Por esse dia,
O fim de semana
Passou...
Com muita alegria
Quem descansou
Descansou,
Sem nostalgia...
Paz, saúde, harmonia,
Que todos desejam.

A expectativa propicia
Amigo de sempre
Nesse seu dia,
Ele nos protege,
Nosso guia.
Proporcione a força
Da luz do dia.
Para quando terminar
Voltemos vencedores,
Com a experiência
Dos fortes e da calma
Na iluminação da alma,
Na certeza de ter construído
Um mundo melhor,
Na satisfação da missão
Que aos poucos cumprimos,
Levando paz e glória
Aos ricos e pobres
De alma e coração.


🤔Marcelo de Oliveira Souza,Iwa
🤔Do blog http://marceloescritor2.blogspot.com
⛅ Bom dia!

quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Re: Vozes de Aço



Em ter, 15 de jan de 2019 às 11:44, Marcelo ESCRITOR de Oliveira Souza <marceloosouzasom@hotmail.com> escreveu:
Saiu na coluna do Jornal Atarde, Jornal de Maior circulação da Bahia, dia 28/12/18, tira mencionando a nossa premiação na Antologia Vozes de Aço .

Marcelo de Oliveira Souza IwA
2x Dr. Honóris Causa em Literatura

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

Verão dos Flanelinhas ou da Zona Azul Fantasma?








Verão dos Flanelinhas ou da Zona Azul Fantasma?




O verão está muito intenso em Salvador, muitas festividades em todos os cantos sobre a grande responsabilidade do rei Sol, que não está se fazendo de rogado, abrilhantando a nossa principal estação.
Todos freneticamente correndo para as praias, tentando  aproveitar ao máximo o verão soteropolitano.
Com a problemática da violência no Rio de Janeiro e em Fortaleza, os turistas estão vindo para cá onde ainda a segurança é menos  pior.
Nesse corre-corre, quem também    está saindo no lucro são os “guardadores” de carros, que já viraram  uma  absurda sistemática  a coação aos motoristas, desde o Natal, constatamos esse absurdo onde na Av. Sete de Setembro estava abarrotada de carros, e por sua vez de “flanelinhas” que cobravam vinte, trinta reais, para não fazer nada com seu veículo, tanto é isso que eles agora cobram adiantado, onde as pessoas tem que se sujeitar a isso, mesmo sabendo que os incautos não estarão ali no retorno do passeio.
Não bastando isso o nosso pequeno prefeito resolveu fazer a “cartela” digital nas “zonas azuis” - nome dado aos locais que a prefeitura cobra para o motorista estacionar – onde em determinados locais não tem nem o “cobrador”, mas se não tivermos com a autorização vamos pagar uma salgada multa e perder preciosos pontos.
Eles querem que a pessoa tenha “smartfone”, conexão com internet e aplicativo, para termos o salvo conduto,  não sendo  multados, será que o cidadão merece tamanho descaso?
Temos que aturar chantagem de flanelinhas, para não ter o carro danificado, temos que aguentar essa ideia esdrúxula, temos a  obrigação de pagar cartela, sem falar do licenciamento.
Agora a dificuldade vem aumentando junto com a temperatura do verão, os obstáculos esquentam o nosso juízo,  onde  a bomba maior virá depois das festas, cuja  reflexão vai bater diretamente no fundo da carteira, onde os deveres são muitos e o retorno, pouquíssimos lamentavelmente...


Marcelo de Oliveira Souza,IwA
2x Dr. Honoris Causa em LIteratura

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

PLANSERV: O plano que não SERV.




PLANSERV : O plano que não SERV!


As pessoas que trabalham na rede estadual, muitas vezes se regozijavam de alegria com o  plano de Saúde  Planserv, apesar de não ser como antigamente, que era plano médico-odontológico, ainda dava para auxiliar na suas necessidades.

A partir desse ano a situação piorou  mais ainda, aumentou a cota de coparticipação, além disso sempre encontram dificuldades para fazer exames médicos, até uma simples retirada de uma verruga, precisamos de autorização, os beneficiários não têm direito nem a fazer um exame de sangue rotineiro, pois é negado ao paciente tudo.

Mais um triste exemplo aconteceu com a aposentada  Jandiara Rosana de Salvador, BA, a paciente tem problemas de tireoide  e precisa de uma avaliação rotineira, entretanto quando se dirigiu ao laboratório LABOCHECAP  que fica na av. Silveira Martins, Cabula Salvador BA  foi avisada que não poderia nem fazer um hemograma, pois já havia excedido a quota, a mesma foi ao STV, no mesmo Bairro e também teve a sua requisição recusada, onde a atendente disse que esse plano só libera de três em três meses.

Quer dizer que hoje as pessoas usam o Plano de Saúde PLANSERV na sua bolsa ou carteira somente de enfeite, pois temos que ter horário para ficar doente, temos que ter quota de doença, pois além de pagarmos coparticipação, eles querem o que agora? Vamos ter que usar a carteirinha só para enfeitar a carteira?

Precisamos o governador Rui Costa reveja essa problemática, pois certamente o nosso gestor não viu esse grande acinte ao segurando de plano que agora não SERV.





Marcelo de Oliveira Souza,IWA -  Salvador - BA - Brasil
Escritor e  Organizador do Conc Lit Poesias sem
Fronteiras.
* 2 x Dr. Honoris Causa em Literatura- FEBACLA e VaeBrasil
membro:
* Da Academia de Letras do Brasil : seccionais  Mato Grosso do Sul / Sul e Baixo Sul da BA;
* Da International Writers and Artists Association -EUA
* Da Academia de Letras de Teófilo Otoni  ;


*******************************************
* Site do Concurso de 
* Facebook: marceloescritor  ; Instagram:@marceloescritor



Vozes de Aço

Saiu na coluna do Jornal Atarde, Jornal de Maior circulação da Bahia, dia 28/12/18, tira mencionando a nossa premiação na Antologia Vozes de Aço .

Marcelo de Oliveira Souza IwA
2x Dr. Honóris Causa em Literatura

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

Mais uma placa de Exposição Permanente do Escritor Marcelo de Oliveira Souza

Nossa placa, com o poema Não Aguentamos Mais,  premiada em Salvador e na República Tcheca, agora está compondo a Exposição Permanente do Escritor Marcelo de Oliveira Souza Iwa, no Condomínio Edgar Santos, em Brotas, Salvador BA.
Agradecemos a Ivan e Rilton  pela presteza.

Quem desejar ter  nossa exposição permanente é só enviar uma mensagem para marceloosouzasom@hotmail.com.

Marcelo de Oliveira Souza Iwa
2x Dr. Honóris Causa em Literatura.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Amor à Francesa!



Amor à francesa

 

 

Em tempos de INTERNET, a paquera tomou conotações digitais, os enamorados na confiança de poder conversar e até trocar imagens, perderam a timidez e a paquera rola solta. Diferentemente de um tempo atrás quando as pessoas faziam amizade por carta e até se apaixonavam, constituindo família via Correios.

Muitas pessoas se enganam e até se expõem à violência por causa das aventuras virtuais, como foi o caso dessa nossa amiga.

Cláudia, mãe solteira, tem uma filha de sete anos de idade, mora com os pais e um irmão, é uma pessoa sonhadora  e  desiludida com o antigo amor, justamente o  pai da sua filha Catarina.

A exemplo de sua amiga que se casou com um estrangeiro,  a moça  resolveu engendrar-se no mundo virtual, com a cara e a coragem.  Comprou  um "net top" somente para encontrar o seu príncipe; inscreveu-se em um site de namoro e mandou "ver" na sua imaginação.

Os dias para a nossa amiga tornaram-se mais curtos, pois "curtir" virou aquele fenômeno da cibernética; conheceu até um francês de meia idade de nome Jean, um tentava falar português e a mulher sonhava fazer biquinho.

A amizade dos dois foi se consolidando, o sonho foi aumentando, ela já não saía mais, pois o fuso horário agora era francês e o mundo virtual.

Os meses foram se passando, ela era muito preocupada com a  sua aparência, porque não se achava a mais  bonita das baianas e não poderia sequer mostrar "o que é que a baiana tem".

Sonhava em fazer plástica para esconder as estrias e muitas outras imperfeições; tentou até fazer uma cirurgia à prestação, mas a sua situação financeira  não estava tão boa assim,  fora que já havia comprado diversos produtos e "esquecido" de pagar, inclusive o "net top".

Dizia que tudo era investimento, pois quando o francês chegar tudo iria mudar, indo para nas nuvens...

Um ano depois de tanto sonho, não é que o gringo tomou coragem e foi conhecer a sua princesa?

Com a desculpa de procurar investimentos no Brasil, ele terminou fazendo pousada na casa de Cláudia, que já havia preparado tudo do bom e do melhor, pena que o bairro dela não ajudava, era em um lugar comercial e perigoso, como em todo lugar que só funciona o comércio, à noite sabes como fica...

A família recebeu o estrangeiro com a maior boa vontade, preparou um verdadeiro "breakfest" para quando ele acordar, com talheres novos, toalhas e tudo que uma pessoa desesperada para agradar alguém  pudesse fazer.

A menina Catarina, pulou  no colo do homem, como se  o conhecesse de verdade, só faltou chamá-lo de "papá", ele sou dava uma risada desconfiada.

O final de semana passou rapidamente, passearam de navio, mesmo demorando horas para o "Ferry Boat" chegar, foram na folia para Itaparica, ficaram na casa de um amigo dela e tentaram se "entender", o pior que esse entendimento era todo no escuro, só o braile podia tentar decifrar esses códigos.

Voltando para o continente, eles  foram para casa e deixaram as  suas respectivas bagagens, após tomarem um banho, ela foi mostrar para o gringo o Pelourinho, andaram aquilo tudo, mas o estômago já estava "roncando", desesperada para almoçar, foi sugerido um restaurante, o pior que ele não queria gastar nadinha, terminou levando-a num boteco para comer um bolinho  de bacalhau com refrigerante, o homem era mesmo mão fechada, a sonhadora era  quem resolvia comprar  lanches, nem acarajé ele queria provar para não "coçar" o bolso, quem não desejaria uma acarajé vindo à Salvador?

As coisas não pareciam ir bem, estavam tomando um rumo estranho, muito estranho... Até o transporte ela teve que pagar para ambos, entrando em um ônibus lotado, ele só sabia dizer "oui...", "oui..." e sorrir...

Chegando à casa da "vendedora de sonhos" o homem foi tomar banho e ficou no "lep top" digitando, não queria nem mais conversar.

A mãe de Cláudia, Dona Teresa percebeu que a coisa estava andando para trás e chamou os dois na "chicha", querendo saber se ele ia assumir a filha e qual era o plano do "casal" para o futuro, mas o homem disfarçava, era escorregadio igual a sabão.

Ao amanhecer, o café da manhã não era mais essa coisa toda, ele chegou até a cobrar o queijinho no pão, mas o pessoal dizia que a coisa não estava boa, pois Augusto, o pai, tinha viajado e não retornara ainda.

Cláudia, cheia de expectativas, preparou uma estratégia para "queimar" uns dias de trabalho, indo ao hospital público da redondeza, para ver se "descolava" um atestado.

Só que nesse ínterim, o francês já estava de malas prontas pra "cair" fora, na  surdina, foi quando Dona Teresa interceptou o incauto e gritou que a filha dela não era cachorro, que sabia que ele não estava muito interessado, mas que teria que olhar nos olhos da sonhadora para dizer o motivo, foi quando tomou-se de coragem e passou o cadeado no portão para impedir a retirada estratégica do homem, à francesa...

A confusão se instalou, a velha Tereza gritava de um lado, ele dizia "oui..." de outro, a menina chorava em outro canto, dizendo que queria conhecer a França e nessa balbúrdia Cláudia chegou com o atestado na mão.

Assustada, perguntou o que estava acontecendo, como se não soubesse, a mãe falava que ele era um enganador, ia sair escondido, à francesa e que trancou o portão até a filha chegar, a mulher disparou uma crise de risos e de choro, até que conseguiu  cair em si.

Jean já estava saindo com as malas, ela o seguiu  correndo atrás, perguntando o motivo, que já estava preparada para casar, inquirindo a razão  da saída, ele disse não gostar o suficiente dela para casar...

A moça começou a "sair" de si, gritando por Deus, chorando e falando em pleno desespero, a vizinhança gritava, urrava...  Enquanto o homem saia de mansinho, "pegando" o táxi e ganhando esse mundão chamado Brasil.

 

 


 

 

 


Marcelo de Oliveira Souza,IWA -  Salvador - BA - Brasil
Escritor e  Organizador do Conc Lit Poesias sem
Fronteiras.
* 2 x Dr. Honoris Causa em Literatura- FEBACLA e VaeBrasil
membro:
* Da Academia de Letras do Brasil : seccionais  Mato Grosso do Sul / Sul e Baixo Sul da BA;
* Da International Writers and Artists Association -EUA
* Da Academia de Letras de Teófilo Otoni  ;


*******************************************
* Site do Concurso de 
* Facebook: marceloescritor  ; Instagram:@marceloescritor



quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Mediunidade

Mediunidade

Um cochilo esperado
Voltando ao passado
Vendo um revoltado
Ou outro desesperado.


Acolho e pergunto indignado
Sobre seu sofrimento represado
O perdão não lhe foi dado,
Alguns mortos também sofrem um bocado!
Vemos também o descanso do crédulo amado
Minutos são horas, dias inacabados.

Acordo feliz e regozijado
Pois poucos estão preparados
Para essa viagem de ajuda ao rejeitados
Nesse mundo maravilhoso em todos os lados...


🤔Marcelo de Oliveira Souza,IWA
🤔2x Dr. Honóris Causa em Literatura
🤔 Do blog http://marceloescritor2.blogspot.com
🤔 Instagram: marceloescritor
Boa noite🌚

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

Venezuela!


Venezuela!


Veneza pequena, está ela
Grande emblema, singela!
Motriz da América,
Via da janela.
Braço forte,
Com clientela
Petróleo bruto
Na cancela,
Estado ativo
Virando favela.

O Fruto Maduro
Sofre no duro
Distorce o futuro,
Nesse grande enduro,
Não tem futuro...
Sem cair do pé.
Ninguém acode
Nem perde a fé,
O povo grita,
O sofrimento irrita
Até um dia o fruto Maduro
Que apodrece a árvore
Cair na maré!


Marcelo de Oliveira Souza,IwA