Seguidores

sexta-feira, 13 de março de 2015

O Retorno a Fortaleza





O Retorno a Fortaleza

Em retorno a um dos destinos mais preteridos pelos turistas brasileiros, percebemos algumas diferenças de cinco anos atrás.
As pessoas estão com mais medo de sair de casa, o grande número de ocorrências policiais passou a chamar atenção; Na avenida Beira Mar onde é um lugar bucólico e bastante Aprazível pelos turistas, não   está com essa beleza toda, pois os mendigos habitam o local, dormindo até em caixas eletrônicos, onde tiver um espacinho eles fazem cama.
Se eles detectarem alguém em turismo, vão logo junto, intimidar para ver se tem algo para tirar, onde muitas pessoas sucumbem a isso para não se aborrecer e vão logo “alimentando”.
Apesar da grande dificuldade do povo, eles não perdoam o turista, visto que um dos lugares mais disputados por adultos e crianças.
O que aumentou muito na região foi o número de parques pagos, O Beach Park, tem um preço nas alturas, dá mais frio na barriga desembolsar cento e oitenta reais para entrar, do que escorregar no brinquedo mais perigoso.
Pertinho dele tem um outro parque mais simples, com menos brinquedos, mas dá para se divertir muito, o nome dele é Engenhoca, é um tipo de fazenda que foi transformada para a visitação e lazer, além disso a comida não é cara e muito boa.
Na praia do Futuro, as coisas não mudaram muito, os preços continuam nas alturas, mas o mais importante, o acolhimento, ainda fica a desejar, pelo menos na “barraca” Coco Beach, eles pensam que estão no Beach Park, pois tem atendente que destrata o turista, uma vez que não havia lugar para sentar, “eles” disseram que umas mesas restantes não seriam para uso e não iriam atender.
Para conseguir entrar na piscina, tem que desembolsar quinze reais, mesmo consumindo, são coisas que chamam atenção negativamente.
Vimos que as pessoas na sua maioria sabem tratar o turista, contudo os motoristas de ônibus não têm paciência para tal, por não ter troco para uma cédula maior, eles preferem colocar o passageiro para fora, achamos   que o exercício de expulsar turista dos lugares é uma matéria praticada nas escolas da região.
Cabem destaques especiais nesse lindo lugar, a feira cultural na Beira Mar, onde encontramos de tudo a um bom preço, menos o lindo quadro de madeira que eles querem vender a seis incríveis mil reais.
A culinária é muito boa, já estão tão bons nisso que resolveram incrementar no sorvete, onde uma   sorveteria de cinquenta sabores, cobra muito caro, mas vale a pena, passar um tempinho escolhendo entre tantos tipos, quem   não for lá certamente vai perder.
Os shows de humor estão por todo o canto, é muito bom, mas o mais interessante para quem tem criança pequena é o tradicional “trenzinho” da   orla, onde as crianças se divertem e os adultos também, com personagens infantis e heróis de histórias em quadrinhos e filmes.
Como padrão nordestino a cidade não fica a dever a Salvador, mas tem muito a melhorar, esperemos que da próxima vez não tenhamos tanto medo de sair para passear e que o trânsito seja menos agressivo.

Marcelo de Oliveira Souza, IWA

Nenhum comentário:

Postar um comentário