Ajuda na manutenção do blog: Conta Poupança 5920-0 Agência 3679-0 Para Marcelo de Oliveira Souza

sábado, 17 de abril de 2010

Tempos Apocalípticos

Tempos Apocalípticos



O comportamento das pessoas hoje em dia nos deixa preocupado com a época contemporânea, muitos acusam a degradação da família como a principal culpada pela crise de valores que faz a nossa sociedade sofrer.
A maioria das pessoas, principalmente os que exercem uma determinada religião, sempre ouviu falar do apocalipse, onde os sinais seriam os crimes hediondos, o racismo, a falta de amor ao próximo; bem como tragédias naturais: grandes terremotos, “tsunamis”, maré vermelha, todos esses fatores evidenciam o final dos tempos.
Diante desses fatos, percebemos ainda que as pessoas estão cada vez mais centradas em seus problemas, pois a vida moderna pode até dar mais conforto, contudo o estresse aumenta, a luta pela sobrevivência em todos os aspectos torna o ser humano sem a sua principal característica, o amor ao seu semelhante. Todos com medo de todos, isolados em seus problemas, medos e recalques, tornando a humanidade desumana, cujas pessoas transformam-se em ilhas “plugadas” em computadores, televisões e tudo de mais moderno, que possa aplacar a solidão que se instalou na maioria de nós.
Contudo a raça humana caracteriza-se por sua imprevisibilidade, enquanto uns podem praticar atos horríveis, outros são capazes de verdadeiras proezas em prol do seu semelhante e é a isso que devemos nos prender, porque o nosso livre arbítrio faz com que qualquer previsão apocalíptica seja falha.
As boas mensagens, aquelas que tocam o nosso coração, também passam em muitos segmentos de comunicação e principalmente na literatura, esses emissários divinos não estão aí por acaso, inclusive podem estar dentro de você, basta saber ligar o seu “dispositivo”, pois onde existe a escuridão noturna, sempre existirá uma alvorada, mostrando que o bem está latente em todos nós principalmente em tempos difíceis.
A mão da solidariedade cobre-nos como um manto divino, sendo o verdadeiro gesto que devemos segurar em nosso peito, iluminando o nosso destino, onde meteoro, desastres e crimes devem ser rechaçados com gestos de amor, principalmente no nascedouro, cujas crianças que começam a habitar esse mundo nunca percam a inocência e a esperança de um futuro onde possamos viver em paz e não sob a clava do desespero diário de um cadáver a cada esquina, abatido por causa de um pedaço de pedra.


Marcelo de Oliveira Souza
marceloosouzasom@hotmail.com
Salvador Bahia Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário