Seguidores

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Montevidéu - Uruguai

Montevidéu – Uruguai

 

 

 

A cidade apesar de estar impregnada pelo lixo, ela possui  um traçado organizado, com belíssimos prédios e casas suntuosas, chamando atenção, assim como os seus monumentos, segundo os moradores a cidade não era assim, contudo com a péssima gestão, o povo está começando a se acostumar a viver entre sacos plásticos "florescendo" pelos campos urbanos.

O que mais chama atenção são as inúmeras árvores, transformando o local em um belo lugar bucólico, quando limpo, tendo uma conotação de calma e tranquilidade, como nos melhores lugares do interior brasileiro.

Os uruguaios ainda lembram  com orgulho da copa do mundo de 1950, criaram até um monumento para o grande feito não cair no esquecimento, pois para repetir essa façanha vai ser muito difícil.

Os seus shoppings não são grandes e não têm tanta variedade como os do Brasil, mas quando eles reconhecem um brasileiro a ganância fica maior do que seus empreendimentos.

O grande produto de exportação segundo quem visita o país, deixou de ser o gado bovino e passou a disputar o alfajor com a Argentina.

Agora um perfeito exemplo para os nossos governantes é o presidente uruguaio, ele abriu mão de setenta por cento do salário, dizendo poder viver tranquilamente com o restante e ainda preferiu trabalhar em sua residência, informalmente,  deixando o palácio presidencial de enfeite, alegando que podia perfeitamente atender as pessoas em sua residência, um grande exemplo de humildade e de cidadania.

 



Marcelo de Oliveira Souza
http://marceloescritor2.blogspot.com
www.poesiassemfronteiras.no.comunidades.net
face: psfronteiras

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Balneário Camboriú SC


Balneário Camboriú

 

 

 

 

 

Tido como o roteiro mais fraco, surpreendeu por sua organização e preservação de área ambiental, uma cidade originária de Camboriú, onde alguns empresários se reuniram e decretaram o desmembramento de sua antiga sede, pois o local atraía muito dinheiro e o retorno não era certo.

Transformada num grande centro ecológico e encontro de turistas do mundo todo, o local possui o segundo metro quadrado mais caro do Brasil, só perde para Copacabana, quem tinha o seu terreno, viu o seu investimento ser valorizado até quinhentos por cento! Ah se eu tivesse uma tarefinha de terra naquela época...

O tempo era escasso, um dia para conhecer muita coisa: praias, parque e a cidade praiana.

O seu parque é uma obra prima da natureza, as pessoas pegam um bondinho que cabem seis passageiros e sobe a serra  vislumbrando toda a cidade.

Adentrando a área ambiental, as pessoas se perdem na beleza, mas não quanto à localização, pois tem trilhas de madeira em todos os cantos, tornando o passeio adequado até para crianças, a serra ainda tem espaço para tirolesa e arvorismo.

Fora da floresta as pessoas se deparam com aquela praia rodeada de verde, na volta encontramos inúmeras lojas de lembranças da cidade.

Fora do parque, encontramos ainda um passeio temático com nome de Aventura Pirata, onde existem navios de época com homens caracterizados para o evento.

A cidade não é grande, mas tem carros em todos os cantos, é agradável e organizada, cujos moradores ostentam o orgulho de morar em um dos lugares mais lindos de Santa Catarina.

 

Marcelo de Oliveira Souza

 


Marcelo de Oliveira Souza
http://marceloescritor2.blogspot.com
www.poesiassemfronteiras.no.comunidades.net
face: psfronteiras

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Empress


Empress

 

As pessoas vão tão animadas para entrar no navio que às vezes esquecem  de conferir o estado  da documentação, principalmente se forem para outros países.

Para passarmos na alfândega e embarcarmos no Empress, a dificuldade é muito grande, pois temos que fazer o check-in  e isso demanda muito tempo e paciência, mas quando entramos no navio percebemos que o número de pessoas é muito grande, de várias partes do nosso imenso Brasil e outros cantos da América do Sul.

A tripulação constitui-se de pessoas de vários idiomas, cada recanto do navio parece um capítulo de um lindo sonho, onde a lei principal é divertir-se com muita pontualidade e ter muitos dólares para gastar, pois tudo lá é nessa moeda estrangeira.

A culinária é muito boa, temos a oportunidade de provar muitos pratos desconhecidos, contudo no restaurante Miramar, as pessoas ficam meio perdidas com o nome dos pratos, que fazem tanto mistério e no final alguns pratos são decepcionantes, deixando a clientela surpresa, beirando a frustração.

Os shows são verdadeiros espetáculos, onde destacamos a noite de Madonna que foi um verdadeiro sonho entre as nuvens e vale ainda salientar a noite de Michael Jackson, muito boa com o excelente desempenho dos cantores.

Infelizmente ainda percebemos alguns traços deseducados de brasileiro, que vão ao salão de shows e repetem a mesma falta de educação que trazem de casa, guardando lugares para os retardatários e ficando em pé na frente de que está sentado assistindo, teve até uma confusão por causa disso.

As equipes de animação seguraram o alto clima, sempre com aquele sorriso estampado no rosto, alegrando a todos os momentos, cuja administração sempre providencia um evento diferente como a Festa Tropical, onde um lindo Buffet de frutas foi apresentado.

Quem não teve a oportunidade de fazer um cruzeiro, se prepare financeiramente porque vale à pena singrar os sete mares a bordo da Imperatriz, nome traduzido para o português, porque depois dessa aventura toda viagem será pequena.

 

 



Marcelo de Oliveira Souza
http://marceloescritor2.blogspot.com
www.poesiassemfronteiras.no.comunidades.net
face: psfronteiras

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Visitando Ilhéus BA

Visitando Ilhéus

 

 

Sentada em berço esplêndido a bucólica cidade de Ilhéus colhe os louros da natureza, com grande apelo turístico, contudo quando é para o  investimento nesse grande dom natural, ela descansa na fronha do ostracismo.

O município precisa investir no seu maior potencial, reformando a sua linda e imensa orla marítima, criando opções de turismo ecológico, se existe, é para poucos, e o serviço não está sendo bem feito, pois lugares como a Lagoa Encantada, ficam escondidos de quem vai conhecer a região e dificilmente  vai saber o que o lugar tem de melhor.

As casas comerciais parecem que ainda não se acostumaram ao fluxo turístico, os turistas sempre ávidos por lembranças da cidade, se decepcionam ao ver os estabelecimentos comerciais com rígidos horários, assim como locais de refeição a quilo -  que é uma vertente brasileira - pouco explorados, até em hotéis que tem  refeição, no feriado ele fecha para o  serviço, deixando o visitante na saudade e de estômago vazio.

Assim como em muitas cidades onde os prefeitos são uma ficção científica, Ilhéus acompanha o seu drama com a falta de pagamento a funcionários  e também com os serviços, tornando a cidade com aparência lunar, cheia de buracos abertos; os banheiros em pontos mais visitados não existem, nem mesmo os donos de bares aceitam a visita ao seu sanitário, cobrando pela visita ao WC.

A natureza abunda a terra da Gabriela, mas os gestores tropeçam na vaidade em seguidas administrações, deixando a principal jóia de uma cidade turística sair pensando duas vezes se vai voltar a um lugar em que o turismo parece ser um empecilho.

 

 

Marcelo de Oliveira Souza

Salvador Bahia

 

 

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Ferry do Desespero

A nossa sociedade implora pela ponte para Itaparica, pois  essa travessia nunca irá melhorar, muito menos o respeito aos usuários!
As pessoas pagam caro, para ver outras passando na frente, criando até fila dupla, passamos horas esperando por um transporte sucateado, com péssimas acomodações e sanitários.
Passou a existir uma fila prioritária que ninguém sabe qual é o critério  para essa prioridade; por idade não é porque vimos muitas pessoas que não aparentava ter idade avançada, gozando de plena saúde, caminhando festivamente explorando essa falta de respeito ao próximo.
Vamos fazer uma campanha para que esse meio de transporte angustiante melhore, já que a ponte parece que nunca orá sair...

Marcelo de Oliveira Souza

Menção Honrosa Internacional POESIAS SEM FRONTEIRAS




Depoimento da Menção Honrosa Internacional

"Amigos, acabei de receber o lindo certificado e os livros referentes à premiação de meu poema “Aflição” no VIII Concurso Literário Poesias sem Fronteiras. Gostaria de dizer, primeiramente, que a Menção Honrosa Internacional recebida num certame com a tradição e a seriedade do Concurso Poesia Sem Fronteiras foi, realmente, uma das maiores alegrias que vivenciei em minha longa história de amor com a Poesia. MUITO OBRIGADO, de fato, por esta emoção: Deixo aqui meus sinceros agradecimentos aos jurados e em especial ao Organizador Marcelo de Oliveira Souza, que, todos os anos, brindam a tantos poetas do Brasil e do exterior com esta linda oportunidade de expressarmos ideias e emoções através de nossos versos. Agradeço também aos patrocinadores do evento, como é o caso da Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências (RJ) e do Poeta Valdeck Almeida de Jesus (BA), pelo apoio ao certame.
Mesmo sob críticas de muitos que não conhecem o esforço de quem organiza um concurso literário, o Escritor e Professor Marcelo de Oliveira consegue levar em frente este certame, que chega agora a sua oitava edição, e que já premiou tantos grandes poetas, tais quais Geraldo Trombin, Lenir Moura, Reginaldo Albuquerque, Márcia Regina e Sônia Nogueira, somente para citar alguns exemplos. Adorei a primeira experiência – além, claro, deste prêmio inesquecível – e, com certeza, estarei participando das próximas edições do certame. Viva a Poesia! E um brinde ao Concurso Poesia Sem Fronteiras!
Saudações deste poeta no Japão,
Edweine Loureiro"

Quem desejar ser avisado da próxima versão do Concurso Literário  POESIAS SEM FRONTEIRAS é só mandar um e-mail para marceloosouzasom@hotmail.com


terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Carnaval de novo?


Carnaval de novo?

 

 

Mais um carnaval vem chegando, agora com "gerente" novo até que sentimos que a cidade está tomando um rumo.

Como muitas pessoas estão acostumadas com a tradicional baderna, vai ser muito difícil colocar as coisas nos seus devidos lugares.

Os "abadás" começam a ganhar espaço, voltaram a valer como ouro, os camarotes pipocam pela cidade, ninguém quer saber nem se vai ter a devida segurança, vai logo entrando - esquecendo do desastre no Rio Grande do Sul – e preparando-se para a grande folia dos ricos, existe um camarote que mesmo contra tudo e todos resolveu instalar-se logo encima de um posto de gasolina e se conseguir seu intento, o povo vai lá mesmo! Não importa se o local é de alto risco, acham que o risco maior é perder a folia momesca.

Os blocos carnavalescos já estão a pleno vapor empurrando a famosa "chita" da folia e vale tudo, pois o poder apelativo da mídia que mostra todos lindos, felizes com a cerveja na mão, se beijando freneticamente  é muito grande.

A festa que separa casal já foi muito legal, mas com a globalização as imagens correm o mundo, transformando o sonho carnavalesco sinônimo de Salvador, que não salva ninguém, somente a pessoa que  coçar o bolso, pois os outros,  sem condições, só sobrou mesmo empurrão, gritaria e televisão.

 



Marcelo de Oliveira Souza
face: psfronteiras
http://marceloescritor2.blogspot.com
www.poesiassemfronteiras.no.comunidades.net

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Autor do blog premiado!


19º lugar no VIIº CONCURSO POESIARTE 2013


*Nome: Marcelo de Oliveira.
*Poesia: Árvore da Vida.
*Cidade que representa: Salvador/BA.
*Pseudônimo: Som.
*Pontuação: 312 pontos. 


- Veja a poesia, que ficou em 19º lugar no VIIº CONCURSO POESIARTE:



Árvore da vida


Árvore da vida
Tão castigada hoje em dia
Trocada por prédios sem nostalgia
Vem sumindo rapidamente...

As cidades se desenvolvem
As florestas somem,
Parques arborizados
Transforma-se em parque tecnológicos.

Sem nenhuma lógica
A vida empedra-se
Vemos um mundo predial
Casa encima de casas...

A razão virou lucro
Nosso sangue verde solidifica-se
E a nossa vida
Virou dúvida, dívida...

(Pseudônimo: Som)


*Comentário feito pelo jurado Emanuel Carvalho de Natal/RN:

"O homem procura o tempo todo ser o centro das atenções, sem fé, sem amor ele acha que podemos sobreviver sem sentimentos. E com isso trata-se a mãe natureza como um punhado de areia e cobre toda a floresta com cimento, criando obstáculos para que as raízes não progridem e com isso implanta concreto em lugar dos frutos que acabam virando adubo. Muito boa a leitura e a mensagem do autor!"

(Emanuel Carvalho - escritor)

Mensageiro dos Ventos

O Mensageiro dos Ventos

 

 

Chegando em casa Maurício encontra um homem careca, de paletó e gravata, junto com uma mulher gorda, trajando um vestido grande  de rendas brancas, o estranho estava logo abaixo do Mensageiro dos Ventos.

Nosso amigo os cumprimentou mesmo achando incomum toda  aquela turma na sua casa; procurou seu filho e esposa mas não encontrou ninguém, somente aquela dupla de estranhos, que transformou o seu lar em uma espécie de casa de despacho.

O homem careca começou a entrar em transe e iniciou a destruição do Mensageiro dos Ventos, parecia até que aquele formoso objeto estava anunciando algo muito ruim.

O invasor disse que ia fazer nosso amigo entrar na seita deles, começando a cantar cânticos estranhos, ao passo que a música iniciara,  os atabaques "gritavam" cada vez mais alto e nesse ínterim iam aparecendo cada vez mais pessoas vestidas de branco, batendo no instrumento de percussão.

As coisas iam piorando,  a residência de repente estava toda enfumaçada, foi quando o homem resolveu colocar um monte de cinzas embaixo do short do nosso personagem; a mulher pegou um grande  colar e tentou colocá-lo no pescoço do sofrido rapaz, que desesperado suplicou para seus  amigos de luz São Lázaro e Jesus Cristo a providencial ajuda.

As pessoas  cantavam uma música muito estranha, cuja  dupla infernal forçava a iniciação do nosso herói, que ao se ver amparado com a providência divina, resolveu virar o  "jogo" e começou a rezar em voz alta, ao passo que o barulho dos  instrumentos de percussão ia sumindo junto com  quem os manejava, sobrando somente aqueles dois incautos, que iam enfraquecendo e desaparecendo junto com toda aquela fumaceira, onde aos poucos as coisas iam voltando para o seu lugar e só ouvia o som do Mensageiro dos Ventos tilintar uma melodia calma, mesmo quebrado e somente com uma peça,  parecendo comemorar a volta da pureza do lar.

 

 

 

Marcelo de Oliveira Souza



Marcelo de Oliveira Souza
face: psfronteiras
http://marceloescritor2.blogspot.com
www.poesiassemfronteiras.no.comunidades.net